PENSÃO ALIMENTÍCIA, Só 30%?

Dizem que de advogado e de louco, todo mundo tem um pouco! E parece ser um ditado até bem próximo da realidade (risos!). Brincadeiras à parte, a verdade é que sempre que conversamos com alguém sobre algum problema que estamos passando, é comum ouvirmos conselhos jurídicos, e precisamos saber o que é mito e o que é verdade! Então, vamos testar os seus conhecimentos?

A Pensão alimentícia é no valor de 30% do salário mínimo! Mito ou verdade?!

É um mito! Não existe nenhuma legislação que define o percentual da pensão alimentícia, pois, entende-se que “cada caso é um caso”, e vários fatores influenciam na definição do valor da pensão. Seria injusto que a lei estabelecesse o percentual da pensão, quando o contexto e condições das famíias são bem diferentes. Um grande filósofo chamado Aristóteles já dizia: “praticamos a justiça quando somos desiguais, com os desiguais”, ou seja, valores de pensão diferentes, para condições diferentes.

Posso te afirmar que já acompanhei vários casos onde a pensão estabelecida foi de 50% do salário mínimo; ou 20% do salário líquido; até mesmo de 40% do salário líquido.

Quando um juiz analisa um caso prático e uma situação, e precisa definir o valor de pensão alimentícia, ele leva em consideração duas coisas NECESSIDADE e POSSIBILIDADE. Ele então avalia a necessidade de quem está pedindo e a possibilidade de quem está pagando!

Então, para definir o percentual da pensão o juiz analisará:

1º – Necessidade das crianças: quantos irmãos menores? Como ficará a guarda das crianças? Qual a idade das crianças? As crianças são portadoras de algum tipo de deficiência? São saudáveis? Onde moram? Quais os gastos? Onde estudam? Estão estudando? E muitas outras questões;

2º Possibilidade dos pais: está trabalhando? Qual a profissão? oferece assistência às crianças? Exerce suas funções de pai ou mãe? Possui outra família? Possui outros filhos? Possui alguma deficiência? E outras questões.

Assim ele estará fundamentando a sua decisão, da maneira mais justa possível!

Mas, vale lembrar que AS CRIANÇAS são PRIORIDADE, portanto, ainda que aquele que tem o dever de pagar a pensão esteja desempregado, ele não poderá deixar de pagar alegando isso, SOB PENA DE PRISÃO! Assim, no caso de desemprego, o juiz definirá o percentual da pensão considerando o salário mínimo vigente!

Outra coisa muito importante pra você saber é que o valor da pensão deve ser estabelecido em percentual, ou seja 20%, 30%, 50%, 60%, de algum valor; e não num valor fechado, valor absoluto, como R$ 200,00 ou R$ 500,00! Por uma questão de justiça econômica e desvalorização da moeda!

O que eu preciso para “entrar” com uma ação de pensão alimentícia para meus filhos? São documentos indispensáveis: CERTIDÃO de NASCIMENTO das CRIANÇAS, RG e CPF da representante das crianças, Comprovante de Endereço, e INFORMAR O LOCAL DO ENDEREÇO DO RÉU (da pessoa que você está pedindo a pensão).

Muitos processos demoram anos para serem julgados, ou anos para que as CRIANÇAS possam receber a PENSÃO porque o réu não é localizado, dificultando sua prisão! E aí, na prática, suas crianças ganham a pensão, mas não levam, até que se ache o réu!

Ainda tem dúvidas sobre esse assunto? Procure um advogado de sua confiança, e especialista em direito de família, ou agende um atendimento na defensoria pública de sua cidade.

Por: Dra Tatyana Gurgel / Advogada e Gestora Geral do Gcriva

Posts Recentes

Gostou do Artigo?

Share on facebook
Compartilhe
Share on linkedin
Compartilhe
Share on twitter
Compartilhe
Share on whatsapp
Compartilhe
GRUPO CRIANÇA EM BUSCA DE UMA NOVA VIDA
GRUPO CRIANÇA EM BUSCA DE UMA NOVA VIDA

Deixe um comentário